sábado, 17 de dezembro de 2011

Hoje escrevo...

Tudo na mesma como a lesma.
Não tenho escrito pois tenho sentido que a minha vida é um acumular de fracassos. Sinto-me uma fraca e tenho vergonha de mim. Dou por mim a evitar estar com pessoas porque estou gorda.
O importante é ter uma família que amamos e que nos ama.
O importante é ter saúde.
O importante é ter um emprego, um tecto, dinheiro para o essencial.
O importante é ter amigos.
Tudo o resto são  futilidades.
Então por que é que o importante não me satisfaz? O importante não chega para eu me mostrar, para ser quem sou, para ser feliz.
Tenho a minha vida condicionada por um número na balança, pelos pneus que saltam para fora das calças, pelos casacos de inverno que já não apertam, pelas écharpes que tenho que usar para que não se vejam os botões quase a saltar.
Tenho tudo o que é importante mas não consigo sentir-me feliz. Tudo é desculpa para ficar fechada em casa. Tudo é pretexto para me fechar cada vez mais. E comer, comer, comer...
Quando tive a consulta marcada e a desmarcaram, encarei isso como um sinal. Não preciso de tomar porcarias para emagrecer. Dei-me três meses. Os três meses já passaram. Emagreci? Não, engordei. Sou mais saudável? Não. Tenho o colesterol alto, não durmo e sinto-me uma porcaria. A minha médica receitou-me uns comprimidos que não são para dormir mas dão sonolência, para não criar dependências. Continuo a passar a noite a acordar. Melhorou, consigo voltar a adormecer, sem os comprimidos já não voltava a dormir.
A minha querida Su perguntou-me como é que ia a vida na escola. Vai bem, dentro da normalidade. Muito trabalho que este ano tenho conseguido manter mais ou menos em dia. No início do ano, assumi para mim própria que não conseguia fazer tudo e fiz uma selecção. De início custou-me deixar uma série de coisas por fazer, mas não me pagam (e mal) para trabalhar 60 horas por semana. E mesmo com os cortes que estabeleci continuo a trabalhar bem mais do que o meu horário de trabalho.
Hoje desabafei, amanhã logo vejo.

8 comentários:

susan disse...

Olá princesa!
Como gostaria de te poder ajudar! Não imaginas! É difícil quando estamos com as emoções desequilibradas. Que mais te posso dizer? Apenas que não desistas. Que lutes para que te sintas melhor! Já estive assim. Hoje estou melhor. Aconselho a acupunctura. Rejeitei a medicação que me foi prescrita e optei pelas medicinas alternativas. Experimenta. Não perdes nada.
Beijinho e espero que fiques bem rapidamente. Se quiseres perguntar ou falar de alguma coisa, estou aqui com todo o gosto.(susann.miranda2@gmail.com)

Mel Mudanca disse...

Oi Maria, não desanima não...sei que é facil falar, mas pensei em coisas boas, saiba que nosso pensamento tem poder, precisamos nos ajudar, conta comigo viu.. e sobre engordar...o que vc esta comendo? qual dieta ou como esta fazendo? nao fica triste, vamos nos ajudar mesmo viu. Um beijo grande, e te cuida..vou esperar noticias ok. Fica com Deus.

Mel Mudanca disse...

Apesar dos nossos defeitos, precisamos enxergar que somos pérolas únicas no teatro da vida e entender que não existem pessoas de sucesso e pessoas fracassadas. O que existem são pessoas que lutam pelos seus sonhos ou desistem deles.
Augusto Cury

Deixo essa frase para vc...vamos la...vc vai conseguir mudar esse animo viu. ;-)
Beijus Mel

Big curves disse...

penso igual, sinto-me igual. Mas estou a aprender a relaxar e não me maltratar, porque o mal que fazia a mim mesma, fisica e psicológicamente era profundamente esgotante e não me deixava ver metas de forma saudável.

Venho visitar-te :)

Beijocas e força

Sweet68 disse...

O que é importante já te satisfaz, por isso queres mais. E esse mais não é propriamente o número da balança. Tu é que neste momento não estás confortável contigo e projetas isso no número da balança. De que adianta andar assim deprimida e não fazer nada para mudar isso? De que tens medo?
O que pretendo com isto é dar-te um abanão para ver se começas a fazer algo para mudar a tua vida. Beijo

Clarissa disse...

Oi, querida!

Essa época tem despertado em mim muita reflexão também.
Sobre muitas coisas...

Passei aqui para deixar aqui o mesmo comentário que deixei lá no blog do Desafio Desistir Jamais, de que também participo, sobre a "comilança" no Natal.
Acho que vale compartilhar a reflexão:

E nesse mesmo livro* - como em tantas outras leituras - li que esse comportamento de comer tudo de uma vez, "como se o mundo fosse acabar", é como se fosse um medo "medo de faltar", uma reminiscência do nosso tempo de homem primitivo, que tinha muita dificuldade para conseguir o próprio alimento, já que isso dispendia muito esforço e até mesmo perigo de vida.
Já não somos "primitivos" (ou seríamos?)...
Ao menos o alimento não nos falta e nem é tão difícil consegui-lo...
Penso também em outras possíveis explicações para isso.
As rabanadas, por exemplo, "paixão incontrolável" nessa época do ano, podem ser encontradas fácil e diariamente, na padaria bem na esquina da minha casa...
Mas, "gostoso" mesmo era comer as da minha avó, vê-la fritando, pacientemente, uma a uma... Depois o cheirinho de canela perfumando a casa toda...
Essas eu só posso comer hoje em pensamento - e com o coração...
Força aí, gente!
Pra mim, e pra vocês!
Vamos pensar um pouquinho antes...

*Refiro-me ao livro "Pense Magro", que comecei a ler ontem, assim, para "reforçar as defesas", como disse a amiga Nina.

Beijos.

Pintainha disse...

Porque não tens o "importante"... falta a saúde.

E a definição de saúde engloba o bem-estar físico, mental e social.

Vai à luta!

Muitos beijinhos,
Pintainha

Estilo Hedónico disse...

Obrigada pelo teu comentário!!! Agora já me podes ver!!

http://estilohedonico.blogspot.pt/

beijinhos!!